quinta-feira, 31 de março de 2011

Tenho navegado por meses e meses...
Todos os ventos passaram,
e ainda, estou a deriva do que sentia.

Alguns dias são fáceis de suportar,
outros nem tanto.

Estive tão farta de mim mesma...

E tanta fartura,
me entalou até a garganta.
  
O que foi de mim,
eu já nem sei...

...Acho que me esqueci no escuro de alguma rua vazia.

A minha cabeça parece tão estranha...
E, na verdade, eu nunca entendi nada disso.

Estou dando voltas e voltas,
sem sair do lugar.

Que inferno,
na verdade, eu, só queria...

E desde quando faz qualquer diferença
o meu querer?

...Simplesmente, detesto perceber tanta ladainha em mim.

É difícil dizer,
mas eu preferia estar dormindo agora...

segunda-feira, 21 de março de 2011

Náuseas

Fragmento-me em pequenas sequências
de qualquer evento sem enredo.
Cruzo as linhas do meu inconsciente:
Percorro as horas em mim,
Busco caminhos. Não direções.

O que sentia, ainda sinto,
dentro de um novo sentido,
que fica ao norte, ou, ao sul,
de uma longitude sem latitudes.
                    
                   [A lógica disso é mera abstração...

A minha coerência é cada vez mais escassa,
O tédio não.
                  
                 ...Isso não requer outra explicação.]


Poderia, mesmo, divagar horas a fio,
sobre os dias que me passam devagar.
Mas isso é sempre, tão, vago.

Esses jogos de palavras me enjoam...

...No fim das linhas,
falta-me, ainda, um ponto ou uma vírgula,
Talvez, outra e outra, interrogação...
Um verso sem rimas.

Minha letra é ilegível,
os dias também...

Teço solidões no escuro,
assobiando silêncios.
Desenho ilógico da minha falta de lirismo:
Meu verbo poético sem qualquer poesia.

Mas de resto...
Só me resta, mesmo,
o resto.

Talvez um toque, de pedantismo e arrogância...
...Uma folha amassada aqui, outra ali,

Dentro ou fora,
da minha razão.

Falta-me um senso qualquer,
Não sei qual é o nome disso... E pouco me interessa.
...Estou apenas enjoada.

Escrever é vazio e tedioso... Não escrever também.

A náusea é; simplesmente;
inevitável...

sábado, 19 de março de 2011

Mais uma vez banal...

... Peças soltas

As crianças estão aqui,
a esperar pelo pão dormido da manhã,
enquanto apanham as migalhas
que estão pelo chão...

                                     Amanhã é outro dia,
                                    Deus estará  mais uma vez com vocês,
                                   velando sua fome,
                                  e seu sono.

  O reino dos céus é para os pobres de espírito...

sim,
  sim,
 ele é...       
                              Não que isso faça sentido,
                                        mas você sentará, uma vez mais,
                                       esperando, esperando...

As crianças correm agora...
Dando voltas na minha consciência...            
                                                                                            
              Isso tudo é tão incoerente que eu poderia,mesmo,esquecer:

Lá atrás mora uma moça...  [já me esqueci de como chamá-la.
Ela chora,ela chora,
pelo amor que se perdeu...                         
                                                         É mentira ela não chora.


Simplesmente, conta aos amigos como tudo vai bem


           Vai bem,
                         v 

                                  a           i                 
                              b       e
                                                 m

lá vai o seu bem,meu bem...
É ponto final das suas interrogações,
sem qualquer lamentação.

       Isso é patético também...        
                                                                     
                                          Do outro lado da ponte mora um poeta,
 com o seu belo complexo de fênix,
 Chorando as feridas que nunca foram abertas,
 Renasce das cinzas do que nunca se queimou.
                                                                                                                                                                                                                                                                         

As crianças estão bebendo agora,                   Previsível...  Quase irresistivel,
de um só gole todo o vazio,                               tanta falta,do que falar, 
Esperando a ressaca de amanhã ,que já passou.      do que ouvir,                          

                                             (D)O que sentir?!

                                             ... Agora,isso é tão natural,
                                          que tanto faz,se é banal.
                                                                                                            

A conseqüência, inevitável,
para a vida:
é a vida...Simples assim.


    E as crianças...
                     ...Simplesmente, correrão para apanhar qualquer pão.


                                                 Banal,banal...
                      
 E o que não é ...?
                                 (Me) deixa pra lá...

Que,eu, quero mesmo é me entupir de qualquer ca(fé) outra vez,só pra ter o que vomitar mais tarde...

Já passou,
                Já passou...
                                               Banal,banal...
            

domingo, 13 de março de 2011

#3

Cadê?

Tanto faz se é verdade, o que eu escrever aqui,
você não vai ler:
                Simplesmente            q
                                                  u
                                         e
                                       b
                                         r
                                a
                                     r 
                                           e i                
                   as tuas  li  n
                                      h  a s
                                                     para JUNTARnasMINHAS
                                                    memórias.



Desfazer 
                as  horas,
                                                      i 
                                               g           r 
                                                 r      a     
                                      
                                         os ponteiros
                                                    na direção contrária,


reeditar a vida,
                        desprezando a 
                           lógica.

                    Traçar as linhas no vazio...                                
                                                                                                                     
                                                                                                       risque o que eu lhe escrevi,
                                                                                                                                 até então...                                           

Dias são assim-assado,
e sempre crus pra mim.

                      Acaricie o meu cérebro,agora!

Há algo...       que eu nunca quis lhe falar,
                                      mas que  me     e
                                                      s c a
                                                              p
                                                                    o u        por entre os dedos...

Me perdoe pela poesia,
talvez, ela, não lhe diga respeito:


A solidão é uma faca de dois gumes:
é toda aminha amizade,
e mediocridade...
Sou minha doença ,
e minha cura...
                         ...a lógica ,disso ,é pobre,
                          o verso também.

      poetas poetizam,
                               poetizam,
                                         poetizam,
                             po-e-ti-zam....oh sim!
    Poetas peidam...
                              os versos cheiram mal,
                                        cheiram à fumaça ,
                              álcool,
                                   tristeza,
                          solidão
                               incompreensão,
                      arrependimento,
                      sub
                             ver
                                são:
      
                                     Versos escondidos no subconsciente,
                                                      maquiados e esquartejados pela caneta.
                                   [ sub                                
                                          verso(sões) de coisa nenhuma...]
           
                                
               Onde foi parar o meu lirismo???
                       
                                  CADÊ VOCÊ?!!!

                      CADÊ      ?????????????????????

Sonhe,sonhe,

sonhe comigo!

    ame,ame,
                   a minha poesia!

ame o vazio dessas linhas melo- dramáticas e mal escritas,
mal expostas:
                      doces feridas abertas que me expõem o ridículo,irremediável,de ser o que eu sou...


            CADÊ ,  a minha auto-confiança?

          a minha arrogância ficou tão pequena agora,

                 que você se foi.... 

                                                               Sou o que sou,
Onde eu estou,                                             sendo o que não sou,
eu já estive antes,
sei bem onde começa,                            sendo o que não sou ,apenas,
e onde, não, termina.                                                        sou.


                                 Meta
                                       de          
                                                     de   MIM...
                                   metade ,
                                            enfim,
                                 por fim,       sem fim,  sem MIM,em mim...



CADÊ A MINNHA SANIDADE????


CADÊ  o meu lirismo,a minha POESIA, onde foi que se enfiou?!



Poetas poetizam...
                                    Sim....

                Sim...                              

Poetas são idiotas.... No fundo são (sou) idiotas!!!


OH... Perdoe-me pela poesia,talvez,ela, realmente não lhe faça juízo...

sábado, 12 de março de 2011

Doce egoísmo

A folha continua vazia.
Conheço bem essa sensação de coisa nenhuma.

Todas as palavras que me aparecem nessas horas de tédio,
são sempre iguais.

O desfecho é inevitável:
Uma folha cheia de vazios.

Sempre tive certo talento para melancolia,
incoerência, solidão, e incompreensão.
                    
                     [Auto-incompreensão.

As rimas são fáceis... Elas; simplesmente; me aparecem na cabeça,
e me entorpecem.

É fácil escrever,

Absurdamente fácil.

Rabiscar as linhas, qualquer um rabisca...

Preencher-se delas que é difícil.

Olhe dentro dos meus olhos, e me diga, o que você vê?           

... Há tempos que não vejo nada além de mim.       

E, se isso é arrogância, blasé, afetação, ou simplesmente,
egoísmo... Que seja então. Pois, eu realmente não me importo.

Não; eu não me incomodo...

... Do que me serviria qualquer incômodo?

As palavras me sussurram, pequenas solidões no escuro.

... E, isso se parece com claridade pra mim.

Carregar o revólver, com todas essas pequenas abstrações, e depois atirá-las, irresponsavelmente, na minha própria consciência
me parece, extremamente aceitável.

O estrago que isso vai deixando, em mim, é; provavelmente;
toda minha poesia.
 
                                         [E ela sou eu.  
Agora,se isso é defeito...

...Tanto faz.

As minhas insignificâncias são mesmo, o que tenho de mais doce...

segunda-feira, 7 de março de 2011

Irrelevâncias

Habito um espaço qualquer,
que fica à direita ou à esquerda,
de coisa nenhuma.

E,essa coisa nenhuma,
sou eu mesma, irrelevante assim.

Dentro de tudo o que fiz, ou deixe de fazer,
percebo a saudade pelo que deixe de ser.

Tenho uma centena de pequenos detalhes, insignificantes,
que vão se somando, e me subtraindo.
E eles também sou eu.

E não que eu queira qualquer tipo de cura,
para o que sou...
A doença está diagnosticada,
e é só. Dispenso o tratamento.

Mas o que, realmente, me incomoda,
não é o fato de você me achar vazia,
e sim, eu concordar com isso...

As coisas todas me parecem tão insípidas.

E o que tenho, eu, feito da vida sabendo disso?
Nada além de insipiências também:

Tardes desperdiçadas, noites viradas, e versos descartados,
dentro de sentimentos; igualmente; descartáveis...

Eu mesma sou extremamente descartável...

...É frustrante perceber-se.

domingo, 6 de março de 2011

O resultado é sempre uma variável,
Não que eu entenda de matemática ou de variáveis...

Mas, é que tudo me parece, sempre, tão mutável,
e mesmo quando é estável, 
é,ainda, 
muito variável.

Minha vida é cheia dessas pequenas abstrações,
que costumam se rabiscar na minha sanidade.

E, isso me parece tão normal, tão racional.

Não que eu entenda de racionalidade também...

É só, que de repente,
o que eu não entendo ,
resolveu se esparramar
dentro de tudo, aquilo, 
que entendia.

E,isso é tão instável...

Tenho sonhado com vazios,
e, plenitudes,
e por algum motivo,
contra a luz,
eles se parecem iguais.

Acordei às cinco da tarde hoje.
E ainda estou com sono... Acho que não acordei.


Ainda tenho um pedaço de consciência,
adormecida em mim,
         [Ou talvez esteja acordada.


Em meio a qualquer sonho,
do qual esqueci de despertar.
              [Ou esqueci de sonhar.

Escrevi três ou quatro poemas hoje...
Mas acho, que na verdade, não escrevi coisa nenhuma.

Toda a minha poesia é, sempre, tão mutável,
mas, de algum modo, o resultado é igual:

Um pedaço de papel rabiscado, com uma letra ilegível...

...E, esse é o máximo de coerência que sou capaz de entender.

E,na verdade isso não faz diferença nenhuma pra mim.

Eu sou mesmo, muito, instável...

sábado, 5 de março de 2011

Urfh...

Eu chego em lugar nenhum e digo,
com o coração entalado na garganta,
e as mãos suando:

Sirva-me um pouco mais de nada, por favor...
Que este tudo já está me girando à cabeça.

Sobe-me um cansaço do tamanho do dia.
Mas, o dia não é, assim, tão grande...

Invade-me uma angústia,
mais velha que alma.
Mas, minha alma é nova...

Tenho tanto medo,
tanto medo...
Mas, nem conheço o meu medo.

Sinto uma falta imensa dos teus olhos,
Mas eu nem sei a cor deles...

Sinto uma falta tão grande de tanta coisa,
e, nem sei o que é tanta coisa, afinal...

Sinto,sinto,sinto...

Sei lá o que sinto.
Se é frio ou calor,
amargo ou doce,
gradual ou instantâneo...

Sinto.
Só sei que sinto,
mesmo quando não sinto,
eu sinto!

 Urfh...

...Por favor, me sirva
um pouco mais de nada,
que esse aqui ,já tá (me)acabando.

Sirva um pouco de mim,
que esta aqui já está...


Ele me olha,calmamente,e diz:

-O café acabou,
volte amanhã.

Urfh,acho que os seus olhos são castanhos...

sexta-feira, 4 de março de 2011

No Sense

As linhas que deixei por escrever,
estão todas ,agora,
bem na minha frente.

Se desenhado nos meus olhos,
enquanto sinto o que penso,
sem pensar no que sinto.

E, talvez nada disso, faça nenhum sentido...
Mas, quem disse que deveria?

Me despeço da lógica,
agora,
para traçar uma linha reta,
nas curvas do meu inconsciente:

"Prendo-me em tudo aquilo que me deixar livre para sonhar.

Oh,sim! Isso é clichê, meu amigo.

Desenho-me espaços em branco,
preencho as cores em mim,

Fecho os olhos para enxergar a luz do sol,
que não entra pela janela do meu vazio.

E ,por mim, isso não precisa,
fazer nenhum sentido.

Sou uma abstração,
de cordas soltas,
sobre cores firmes.

Algumas vezes, elas são claras,
Outras nem tanto...

E sempre ficarão linhas por escrever.
                           [Em mim...

O que há de vir,
é ,toda a coerência que conheço.
                                                                 
Sou meu meio,
e, meu fim.
Tudo dentro de um mesmo começo.

As horas passam,
E,não há ,mais nada que eu deva saber,
sobre o tempo.

...Ele,também não sabe nada de mim,afinal de contas.

Estou aqui, e ponto.
E,não há mais nada,
que eu queira saber,
sobre este eu que construí,
sem pensar em fim.

Coloque, você, uma pitada de sanidade, aqui,
E,me escreva um fim.
Que,eu,só conheço,
meios ,
sem começos.

Que fiquem, assim,
perdidos,
entre os escombros,
da minha falta de lógica...


Pois,bem.
Ficamos acertados, assim, então.

Não escreveremos nenhum...

    ...A palavra me fugiu.
                                                      [En
                                                           fim."




Um tanto insano,isso tudo,não acha...?

terça-feira, 1 de março de 2011

Inacabado

...E, tanto faz.

Isso é tão patético,que nem me preocupo,
E não vou tentar disfarçar,
tão pouco, tente você.

Estou escrevendo automaticamente agora...

E ,isso nem me assusta,

Eu queria um lugar novo,
onde eu pudesse existir fora de mim...

Sim; eu queria,
tudo seria mais prático...

Mas, eu vou apenas fingir não me importar,
e, me entupir de café outra vez,
só para ver até onde eu aguento com tudo isso...

Vamos beba um gole comigo!

Será que eu sou, assim, tão fria,
ou,só estarei fingindo...?

Tardes tão vazias,
conversas previsíveis,
E, não há nada que eu possa fazer a respeito...

O tempo está me
 e
    s
      c
a

       p  
a
       n
  d
           o,
Outra vez... E me embaralhando
     i
                           n
           t
                                       e
         i
                      r
a.


E, lá vem o tédio...
E um pouquinho de vazio
                          .
                              .
                                  .


Ah, Deus! Quando foi que fiquei tão previsível assim...?
                                                                            

Eu preciso mesmo de um café, bem amargo,   
pra me adoçar a consciência,antes que ela se perca outra vez.

Eu quero um pouco, mesmo, de qualquer coisa,
só pra me aquecer o peito,
antes que ele se perca de novo.

Tenho linhas, ainda, por escrever.


Mas, deixo essa, aqui, inacabada.
Amanhã eu termino...


...........................................