terça-feira, 29 de novembro de 2011

Fora do encaixe

As paredes do quarto,
os livros,
revistas,  roupas espalhadas pelo chão,
versos e fotografias , e até o espelho,  e o meu,  inevitável e incômodo, reflexo no espelho...

... São só pedaços,
De um amontoado de coisas,
que não reconheço muito bem,

Minha cabeça parece um pouco menos desordenada agora... Mas só um pouco. E esse pouco nunca é suficiente.

Eu sou um eterno quebra- cabeça, cheio de peças  faltando,
mas, ainda assim,
eu teimo em tentar montar uma imagem coerente,
com as peças que espalho pelo chão...

Mas na verdade, eu não tenho a menor ideia, de qual imagem eu deveria querer formar...

... Todas elas me parecem tão corretas  e tão estranhas ao mesmo tempo.
Mas é certo, que nenhuma delas me satisfaz.

E não poderiam me satisfazer nunca,
mesmo que eu simplesmente,
encontrasse as peças que me faltam, atrás de um sofá qualquer... Continuaria  não entendendo a imagem.

E o que eu sinto... Parece sempre,
só mais uma peça, irregular demais, para tentar encaixar em qualquer lugar.

Eu mesma, às vezes, não passo de só mais uma peça,
irregular demais,
para tentar encaixar em qualquer lugar... 

domingo, 20 de novembro de 2011

Pra tocar sem violão

Como quem assobia um blues qualquer,

Volta e meia vem um vento, me sussurrar,
um pouco de vida ao pé do ouvido,

Assobiando à toa uma melodia desafinada,
que ninguém quer mais ouvir ou cantar,

Baixinho de nota em nota,
vai me convidando pra dançar,

E eu vou assim; meio sem jeito, medo ou violão,
com poesia e solidão na mão, percorrer o salão,
pra perder e achar o que corre pelo teu coração,

Aprendendo a tocar sozinha,
uma outra marchinha, sem final,
pra fazer chorar, bem no meio do teu carnaval.

sábado, 19 de novembro de 2011

Poesia que nada... Bom mesmo é plantar cenoura

Não sei o que me acontece...

Mas às vezes, quando invento de reler essas linhas que eu escrevo,
penso que seria muito mais produtivo da minha parte,
se simplesmente, jogasse todas fora, e começasse a cultivar uma horta.

Talvez algumas cenouras resolveriam os meus problemas...

Na pior das hipóteses, elas me fariam uma pessoa, um pouco menos inútil para sociedade.

Mas ainda bem que depois de alguns minutos isso passa.

Não gosto de cenouras...

E quanto a ser menos inútil... Ok; acho que já podemos mudar de assunto agora.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

jogar fora...

não é algo tão difícil...

você arranca a folha do caderno, amassa,
e depois, calmamente, arremessa na lixeira.

mas se é assim tão simples, por que diabos, eu não consigo?

acho que antes de tentar jogar fora os versos,
tenho primeiro, que aprender a amassar, os sentimentos...

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Tolices...

                                                    Eu sou  especialista    em     compor
                                        versos tolos,
 em horas mornas...
                      
Eu sou especialista em perder tempo...

Catar silêncios no escuro, me achar e perder assim,
dentro de mim,  Sou um verso tolo sem qualquer...

                                                                                                           Poesia nenhuma, em
                                                                                                                            l
                                                                                                                            i
                                                                                                                            n
                                                                                                                           h
                                                                                                                            a
                                                                                                       alguma...
                                                                                      Nenhuma
                                                                                                     poesia...
p
e
l
a
s
linhas a mais à se 

perder ,      por entre o vazio ,de um verso ou dois,


não há l
         ó
    g
i
c
  a
 alguma nisso tudo...

É meramente visual...  e casual...

Onde estão os poetas?

Se escondendo da poesia...?
Ah sim... E eu...
o
n
d
e
         e
s
    t
          o u?

me escondendo na
    poesia
  (
            ?
                        )

no vazio de mais um verso ou dois,
quem sabe...
... reste ainda mais outra linha
a es
cre
     ver
Talvez até me faça, o peito,  nascer em outro poema
                                                       t
                                                 o 
                                       r
                        t o

Talvez  seja  apenas, só mais um verso,
outras duas gotas de sonho adoçado
com  ilusão....

Eu sou especialista em compor
                                                          tolices disfarçadas de poesia... 
                                                  
                                                  Eu sou uma tolice qualquer , disfarçada de poeta.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Cartas para ninguém

Dia 15   

Me sinto cada dia mais velha e irritada,
e irritante,
e ineficiente... E insuficiente.

Sufocando o ar, pouco à pouco, no meu coração;
estou vomitando a minha impaciência em forma de poesia e solidão...

Mas não há mais nada que eu queira, realmente fazer agora...

Me lembro de ter visto ontem, crianças brincando em frente ao quintal, e finjo me esquecer do tempo frio e da chuva caindo...

... E por enquanto acho que isso basta para me aquecer.

E quem sabe até cale um pouco do meu mau humor, por pelo menos, mais uma meia dúzia de linhas.

... E, definitivamente, isso me basta por hoje.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Estupidez...

Um pé após o outro, me parece realmente muito estranho que seja assim...

As pessoas dizem que há sempre uma maneira certa para se fazer as coisas.

Bom, eu não sei  o que você pensa, mas eu não acredito no que as pessoas dizem, elas se enganam.

E eu? Sou apenas mais uma pessoa fazendo poesia, e me enganando também...

Mas não, eu não estou reclamando.

Estou apenas, mais uma vez, gastando linhas por você,
e isso me irrita um pouco mais agora... Só isso.

Não há o que fazer...

Depois de um tempo, tudo acaba parecendo muito estúpido mesmo.
poesia 
                                                       t
                                                 o 
                                       r
                        t
                    a         em verso vazio,  s                                                           
                                                        e
                                                         n
                                                          t
                                                           
                                                           i
                                                               m
                                                                        e  n  to vil... Poesia nenhuma, em
                                                                                                                            l
                                                                                                                            i
                                                                                                                            n
                                                                                                                           h
                                                                                                                            a
                                                                                                                             nenhuma....
                                                                                       nenhuma
                                                                                                        poesia.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Abra o bico

Desencantou-se o passarinho com o próprio canto.

Devagarzinho, foi fechando o bico, de nota em nota,
foi calando no fundo da garganta,
o canto.

Passarinho tolo, assim calado,
quer agora aprender a voar...

Passarinho bateu assas e... Caiu.
Brisa primeira derrubou.

Ora, passarinho que não canta, voa não senhor.

Disse o chão pro passarinho,
que abriu o bico, sem dá mais nenhum piu.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

se esse mundo fosse meu...

... eu mandava, eu mandava ladrilhar,

com vida e poesia,

só pra ver com os teus sonhos, você passar,
e como o teu sorriso  o meu  peito aquecer,
fazer dormir no colo meu  o pranto teu,

mas esse mundo,
ah, esse mundo não é meu...

e naquela rua sem ladrilhar,
à toa assim, você vai passar,

mas eu não vou, eu não vou,
ouvir você cantar...
"... E a mais inofensiva entre tudo aquilo que se possa chamar liberdade, a saber: a de fazer um uso público de sua razão."


"... A preguiça e a covardia são as causas pelas quais uma tão grande parte dos homens, depois que a natureza de há muito os libertou de uma direção estranha (naturaliter maiorennes), continuem no entanto de bom grado menores durante toda a vida. São também as causas que explicam por que é tão fácil que os outros se constituam em tutores deles. É tão cômodo ser menor. Se tenho um livro que faz as vezes de meu entendimento, um diretor espiritual que por mim tem consciência, um médico que por mim decide a respeito de minha dieta etc., então não preciso esforçar-me eu mesmo. Não tenho necessidade de pensar, quando posso simplesmente pagar; outros se encarregarão em meu lugar dos negócios desagradáveis. A imensa maioria da humanidade (inclusive todo o belo sexo) considera a passagem à maioridade difícil e além do mais perigosa, porque aqueles tutores de bom grado tomaram a seu cargo a supervisão dela. Depois de terem primeiramente embrutecido seu gado doméstico e preservado cuidadosamente estas tranqüilas criaturas a fim de não ousarem dar um passo fora do carrinho para aprender a andar, no qual as encerraram, mostram-lhes em seguida o perigo que as ameaça se tentarem andar sozinhas. Ora, este perigo na verdade não é tão grande, pois aprenderiam muito bem a andar finalmente, depois de algumas quedas. Basta um exemplo deste tipo para tornar tímido o indivíduo e atemorizá-lo em geral para não fazer outras tentativas no futuro."
("O que é Esclarecimento?" de Immanuel Kant)