quarta-feira, 20 de abril de 2016

samambaia

eu já escrevi sobre os livros e a poeira,
amor e o tempo,
olhos pequenos
e grandes, que me engolem o estrabismo...

sobre o correr das horas,
tédio e janela,

montanha,
barca
e abismo...

é tudo
melodia e ruído,
a me percorrer as entranhas...
verso
depois
de
verso.
escuta?
todo o silencio que resta ainda escrever.
uma vida inteira colada ao pé da samambaia não bastaria.
escuto...

até aqui fui ruído.

amanhã,
samambaia.