domingo, 26 de junho de 2016

junho

falar segue sendo muito vago,
e eu muito oca 
pra tentar articular qualquer coisa
pra além desses versos...

eu pauso o filme,
coloco o leite e o café na caneca e bebo,
respiro o ar que vem pela janela,
abro e fecho a porta,
o livro deixo esquecido na mesa...

e é isso.


e vai continuar sendo isso.

e já é muito mais do que eu gostaria.

eu queria contratar alguém pra sentir por mim.
mas eu sei que isso é uma grande bobagem.

hoje é domingo,
amanhã é segunda
e eu vou plantar samambaias no peito. 
e ver crescer.
mudas.
do meu silêncio. 

sábado, 11 de junho de 2016

maio

talvez eu devesse só ter feito terapia e não faculdade de psicologia. 
mas talvez, ainda dê tempo de largar tudo 
e ir pra Recife estudar tartarugas. 

mas bem sei que o que aflige não é faculdade ou trabalho, rotina, nem nada disso...

o que aflige é essa coisa que me entra pelas narinas,
para no peito
e depois me percorre o corpo todo
até a planta dos pés.

gostaria que me crescesse uma tulipa no peito,
no lugar desse tanto de mim 
que me entope uma a uma as artérias...

uma tulipa,
amarela.