domingo, 15 de setembro de 2013

desmedida

(reeditado)

se dissipa e me dissipa,

o tempo 

tempo...

tempo é raso,
falho e
ilusório.

o que nos move,

dos pés 
à
cabeça,

nos

                 g
               i     r
                 a 
                           muito além dos ponteiros 
                                  de qualquer relógio...


tempo,

tempo nem existe, meu bem.

e eu não dou a minima...


a medida certa e inexata

de qualquer palavra,
é uma vertigem de silêncio e caos.

a medida que me foge pelos versos...

escrever é tão vão.

e vão...

me escorrer a alma por entre os dedos,

me escorrer
no peito...

e os versos,
pelas mãos

me silenciam
e gritam...

vertigem de silencio e caos...

o coração que me pulsa e pára,

não pára,
exato.

e é tempo também...

tempo?

só corre,

           e

e
   s
c
  o
r
  r
    e

é vertigem de relógio... só corre.

e o peito
me vai,

desmedido,
é poesia ... e só corre...

tempo.


tempo nem existe, meu bem...

9 comentários:

  1. Que lindo, em minhas leituras nunca tinha visto trabalho tão bem escrito. É impressionante, na verdade é fantástico, fico agradecido que compartilhes estes escritos com o público, algo que, com certeza vale a pena ler.

    ResponderExcluir
  2. Tô fazendo um filme longa-metragem.
    Você pode me ceder um texto seu para fazer parte dele?

    Aguardo resposta,

    Bj.

    ResponderExcluir
  3. Já te respondi lá, Mirtes.

    ResponderExcluir
  4. Oi Mirtes, dá uma olhada no blog depois:wesleyliteratura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. "tempo nem existe, meu bem"
    só existe a distância e suas várias escalas de solidão.

    ResponderExcluir
  6. Mirtes Rodrigues, você escreve como quem goza os beijos que não teve, você me excita e eu amo a lucidez nos teus poemas loucos.

    ResponderExcluir
  7. Eu esqueci de dizer, que louca e poéticamente te amo ...

    ResponderExcluir