domingo, 15 de junho de 2014

caos calmo

15 de junho de 2014

(sobre ter parado de escrever)

nos últimos tempos tenho me sentindo desleixada e improdutiva,

não que ser produtiva, ou qualquer coisa assim,

me interesse muito. não interessa.

o meu cabelo cresceu,

os óculos já não são os mesmos,
as calças,
camisa
jaqueta,
quarto e telefone...

parede,

rua,
caderno

e poemas...  nada me é estático.


não há nada mais banal do que ir ao banheiro a noite,

dar descarga
voltar para cama,

tomar café


ligar e desligar o computador,


escrever


e dormir...


o que temos fora de toda essa banalidade?


nada a que se agarrar ou soltar.


uma vida que tem se resumido a deixar poemas por terminar,

cinzeiros
leite
café
George Mead (fui muito bem nas provas, obrigada)
e programas ruins de domingo...

uma vida que se resume a qualquer coisa 

que no fundo não me interessa.

parede,

rua,
caderno

e poemas..


nada a que se agarrar ou soltar.  saltando em 3,2, 1... 


tomar café


ligar e desligar o computador,


escrever


e dormir... 


o que temos fora de toda essa banalidade? 


sei lá...


tomo café com leite

e escrevo isto,

com  uma esperança boba  de que faça sol pela manhã 

e chova um pouco a tarde. 

mais que isso é bobagem. 


entende o que quero dizer?

5 comentários:

  1. Entendo perfeitamente, muito sensível, minha vida resumida.

    ResponderExcluir
  2. Não, não entendo o que você quer dizer. Mas eu gosto da sensação de que participo dessa tua "conversa" contigo.
    E além do mais, gosto desde sempre dos teus poemas, bom te ler você novamente.
    Saudações.

    ResponderExcluir
  3. Sim, sim a vida é um tédio sem limites...

    ResponderExcluir
  4. Entendo sim.
    Que bom saber que o sol sempre vai estar lá, brilhando.
    Não acha?

    ResponderExcluir
  5. Nós que somos filhos da nossa época, precisamos de intensidade, essa calmaria e falta de um "objeto" externo que possamos depositar toda a nossa intensidade contida e mascarada por nossa rotina morna, nos deixa em partes também mornos, e isso, é mais triste do que possa parecer para quem não sente.

    Parabéns, escreve muito bem.

    ResponderExcluir