domingo, 29 de janeiro de 2017

faz tempo que não escrevo poesia,
e todas as palavras tem sido vagas
e vazias de tudo, inclusive de mim.

esbarrando no tímido dos meus olhos,
na voz baixa,
e na minha constante falta de jeito 
pra tudo o que há fora de mim. 

e eu não quero figurar em um desses anúncios de "desparecida",
mas sinto que a muito que se perdeu 
o que tinha de meu nesses cadernos,

e o que me sobra é o ecoar miúdo dos versos
que mal me cantam mais
o insosso da tarde 
ao pé do ouvido. 

só o que resta é o silencio dos copos,
o vidro embaçado do espelho no banheiro,
o cheiro de pneu queimado do ônibus,
a escola cheia,
e  o costumeiro tédio de tudo
que me corre em cada centímetro do corpo.

tudo o que me é concreto e parco. 
e, por isso mesmo, sublime de tão ordinário.

viver segue sendo a maior das transgressões...

7 comentários:

  1. É na simples tarefa de escrever um poema que sim, você existe. É tudo.

    ResponderExcluir
  2. wow. quanta intensidade nessas linhas. um vazio que se preenche por completo e cutuca o lado de cá.

    beijo
    Mafê

    ResponderExcluir
  3. Tu e tua poesia, são toda a transgressão que gosto de cometer, porque me da prazer estar contigo sem que você esteja, enquanto eu continuo amando o espelho da tua boca.
    E como você diz, não faz diferença eu me identificar e sobre vc ter parado de fumar ...

    ResponderExcluir
  4. sempre, um eterno se perder e se encontrar de si mesma. ando quase que pela mesma.. beirando precipícios de mim sem nunca me deixar cair até o fim.

    ResponderExcluir
  5. Quantas vezes não nos vemos mais no que foi escrito, idealizado ou feito por nós. Quantas vezes nossa personalidade se esvai de nossa própria alma e deixamos de ser quem somos. Desaparecidos. Ilhados. Na poesia, mesmo que falando do mesmo de sumir, você renasce e se redescobre. Viva, afinal.

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

    ResponderExcluir
  6. Também me sinto assim. Como se as palavras tivessem decidido parar de fazer sentido a partir do momento em que as escrevo. Saem estranhas, estrangeiras, quando antes costumavam ser minhas amigas.
    lua-de-carmim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. vou acompanhar esse blog msm que vc demore trocentos anos pra postar

    ResponderExcluir