domingo, 9 de julho de 2017

Inacabado I

eu gostaria de me importar com os acentos,
e evitar as pausas
e as vírgulas excessivas. 

Mas pouco me resta o tempo
ou espaço,
Pra me desocupar do oco,
do qual me fiz.

Nunca me senti tão
incompleta,
E, tão satis(feita)
De mim mesma.

Como se me costurasse
pele nova
sobre a pele gasta. 

2 comentários:

  1. Ser completo deve ser das coisas, talvez a mais tediosa. Assim como ter o rigor de uma identidade e verbos que dizem sobre nós. A poesia nasce para ocupar esse oco, ou pelo menos tamponá-lo até que outro abismo nos escave. No final das contas, só estaremoa terminados quando tivermos acabado, e nada mais puder ser feito pela nossa existência. Até lá, a gente se frustra e sorri, tentando achar nossa voz. Suas poesias tem um tom melancólico para essa busca que me agrada. Muito bom... Voltarei.

    ResponderExcluir
  2. Espero que a poesia e o café te façam sempre companhia, assim sê repleta. Beijos doce!

    ResponderExcluir