quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Rascunho qualquer de uma não poeta

Escreveria um poema.
Bordaria em cada linha,
Versos da mais fina seda.
E das entrelinhas nasceriam margaridas,
E estrelas brilhariam como um sorriso.

Faria a chuva cantar silenciosa ,
Entre as margens do meu caderno velho.
E depois do cair da última gota,
A minha letra borrada
Clarearia vendo o sol ,que se põe,
Nascer bem no alto da minha folha vazia,

Desenhando,suavemente, um arco-íris
Que se esparramaria em cada estrofe,
Transformando o cinza em ouro,
E;assim; as minhas lágrimas já não precisariam ,mais, manchar  os meus versos.

Eu escreveria,
Uma  poesia,
Que lhe sopraria
Como uma brisa de vento.

Mas , o vento
Que,hoje, me acaricia a face,
Não é suave,
Rouba-me as palavras doces
Da ponta da caneta.
Borra-me os olhos,
E, só me escreve essas linhas escuras,
Que esparramo inutilmente pelo papel,
Manchando com tristeza,
O que podia, muito bem, ser disfarçado com beleza.

Mas hoje,
Eu não acordei, com vontade mentir.
E  apenas confesso;
o que me engasga a garganta
e me sufoca o peito:

Não,eu não sou poeta,
Sou apenas uma criança triste,
que gasta palavras; àtoa;
vil fazedora de tristezas...

4 comentários:

  1. Você pode ser qualquer coisa, mas ainda assim sempre será uma poeta. Teus versos, os acima e todos os outros, são tão belos e fantásticos, que se não for uma poeta, ninguém mais poderá um dia dizer que é.

    Sem mais!

    ResponderExcluir
  2. Texto foda, de uma beleza descomunal!
    gostei muito, valeu mesmo a espera por esse texto!

    Abração, Mirtz!
    parabéns!!!

    ResponderExcluir
  3. Poeta!
    Você é isso com certeza.
    Uma poeta.
    Que texto impressionante o seu.
    O primeiro que leio, mas com certeza lerei os outros.
    Esse me prendeu de tal forma, acho que pela beleza.
    Pela suavidade.

    Parabéns.

    To te seguindo e te linkando no meu blog. (=
    Obrigado pelo coment no meu. *-*
    É tão bom ver alguém comentando no seu blog. haha

    beijoo

    ResponderExcluir