segunda-feira, 26 de março de 2012

esboço de um outro poema

tenho despejadas em mim,
todas as sensações do mundo,

e todas as sensações  do mundo, são nada.

espera-me do lado de fora da alma,
um vazio do tamanho do tempo... tempo pequeno.

meu peito é uma casa vazia,
sem janelas, teto ou chão.

tenho despejadas em mim ...

mas o que é isto que chamam de alma?

espera-me do lado de fora da janela,
o tempo... ou nada.

6 comentários:

  1. Mirtes de Campos

    Muito bonito o poema!!!

    ResponderExcluir
  2. espera...espera... há sangue demais nesta espera

    beijos

    ResponderExcluir
  3. "Me assusta e acalma
    ser portadora de várias almas
    de um só som comum eco
    ser reverberante
    espelho, semelhante
    ser a boca
    ser a dona da palavra sem dono
    de tanto dono que tem."

    ResponderExcluir
  4. você é a única poeta viva que eu gosto de ler.

    ResponderExcluir