sábado, 19 de março de 2016

março

As sextas-feiras continuam aí,
me lembrando
o quanto a vida pode ser
espessa e fina.
E eu me sento, calmante,
entre
uma ponta e outra
nem tão fina ou espessa,
No meio,
bem no meio, de mim.
tanto faz...
Acordei às 5:10,
peguei o ônibus das 5:40,
lotado é claro,
Tudo anda lotado.
Entrei no trabalho às 14 e pouco...
O corredor da escola,
lotado,
é claro.
Cheguei em casa... Sei lá que horas,
o quarto,
os livros,
roupas e eu
lotados.
Nem sei mais o que é uma coisa ou outra...
Parece que a vida explodiu, a duas quadras daqui,
o cara da moto atirou no outro cara,
o menino saiu chorando da escola e não foi pra casa,
o ônibus quebrou e a velha xingou...
Nem sei mais o que é uma coisa e outra...
Se calhar, nem é nada mesmo.
[Pausa pra um grito mudo aqui]
Faço um café,
abro as janelas,
as cortinas,
a porta...
Nem tão espessa, nem tão fina...
Respiro.
Toda ar é presente.
Respiro.

2 comentários:

  1. Vou pensar que estamos próximos e que nos acompanha o silêncio. Porque tua poesia me faz pensar em companhia e na vontade dela, só para estar juntos e nossas mentes em silêncio.
    Num fim de semana, bom.

    ResponderExcluir
  2. Amo sua poesia que narra o transbordamento

    ResponderExcluir