domingo, 20 de novembro de 2011

Pra tocar sem violão

Como quem assobia um blues qualquer,

Volta e meia vem um vento, me sussurrar,
um pouco de vida ao pé do ouvido,

Assobiando à toa uma melodia desafinada,
que ninguém quer mais ouvir ou cantar,

Baixinho de nota em nota,
vai me convidando pra dançar,

E eu vou assim; meio sem jeito, medo ou violão,
com poesia e solidão na mão, percorrer o salão,
pra perder e achar o que corre pelo teu coração,

Aprendendo a tocar sozinha,
uma outra marchinha, sem final,
pra fazer chorar, bem no meio do teu carnaval.

12 comentários:

  1. Nossa!!! como coube bem esse poema nesse domingo!!
    muito bom! muito bom!

    "pra fazer chorar, bem no meio do teu carnaval."

    adorei!

    ResponderExcluir
  2. Lindo! Dos teus melhores, dos meus preferidos!

    ResponderExcluir
  3. em seus últimos poemas que tenho lido, uma melancolia de fundo os perpassa, uma penumbra de dor, um abandono, deixaste a experimentação concreta, mas o pulso e o lirismo nos últimos vem de uma forma fascinante aos meus olhos...

    beijos mirtes

    ResponderExcluir
  4. Olá Mirtes?

    Sua poesia nos fala de notas, de violões e tudo o que você simplesmente fez foi música, sua poesia redonda como um vento, me contou, me encantou aos ouvidos.

    "pra fazer chorar, bem no meio do teu carnaval."

    Excelente!

    beijos

    Guilherme Canedo
    www.diariomofado.blogspot.com
    www.tropicodecapricornio1.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Curta Blue, maninha...

    http://www.youtube.com/watch?v=I4Ver4yqsXs&feature=related

    É nóis!

    ResponderExcluir
  6. E quantas vezes meu carnaval foi nublado, choroso, chuvoso... em relação ao seu comentário no CURTA BLUE, devo dizer que a trilha sonora é dela: nayaron.blogspot.com
    Mama é o máximo.


    Vamos passear de cabelo azul no shopping cool, irmã:
    http://www.youtube.com/watch?v=VpVHeVcLVUA

    ResponderExcluir
  7. Eu estava transbordando, e coisas na vida estão acontecendo, o que me faz escrever mais...

    Estou curtindo baixinho a solidão, na dor do blues

    ResponderExcluir
  8. Leve como uma brisa, doce como o verão.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Lugar de mendigo é no Shopping Center
    Assim como lugar de merda é no ventilador.

    Sumiu um post daqui dos Rascunhos. Por acaso travava-se de um mero rascunho?

    Cadê?

    ResponderExcluir
  10. Já dei cabo de diversos posts também...

    ResponderExcluir