domingo, 4 de setembro de 2011

As espinhas no teu rosto,
as marcas do que eram as espinhas no teu rosto... Qualquer memória.

Olho o meu passado no espelho,
não há muito que se possa dizer...

Nuvens passam sobre a minha cabeça,
sempre tão finas e tão  breves,
como todo o resto...

... É tão raro, e tão raso.

2 comentários:

  1. A imagem da espinha com a imagem da nuvem. O Banal e o poético.
    Gostei mesmo da segunda estrofe, uma verdade que cala profundo neste existir que estamos.
    Abraços Mirtes

    ResponderExcluir
  2. é memória?
    raro e raso quase sempre andam juntos.

    ResponderExcluir