sexta-feira, 13 de maio de 2011

...

Passou o dia com os olhos úmidos,
a olhar pela janela os carros que não passavam.
Olhando a rua e as pessoas que não enxergava,
quase tocava o próprio vazio.

Marcou compromissos, que sabia,
não iria.

Olhou seu reflexo no espelho, de canto,
despenteou cuidadosamente os cabelos,
cobrindo o rosto com os fios.

Tinha tanto a dizer,
mas calou,deixando que as palavras se esvaíssem,
antes mesmo,que pudessem tocar o ar,

Tinha medo... Mas do quê?

Deitou-se em posição fetal, dentro de si,
e em si estancou.

Era apertado,
disputava com o vazio, um espaço,
no oco do próprio peito.

Respirava(-se) cada vez mais fundo,
Sem sentir o que respirava,

Doía,e doía,
simplesmente...A dor não ía...
  
Acompanhava o ritmo lento dos batimentos do seu coração,
respirava com mais,e mais dificuldade.

Respirava ainda?

Sentou em si,
e quase a sufocar,
rasgou-se feito papel,
e, com sua letra miúda e quase ilegível,
no canto do peito;ilegível e miúdo;escreveu:

“A vida: dói (?) 
Quando; eu; respiro.”

Rasgou a folha,
mas queria, mesmo, era rasgar o peito.

5 comentários:

  1. Garota multiconectada como esta eu nunca vi!

    Você é uma artista de verdade, pois consegue ver o mundo de modo holístico, pelo o que pude perceber.

    Percebi também que você não dá um espaço após as vírgulas.

    Rs.

    ResponderExcluir
  2. Magro o teu poema, melancólico, expressívo e adjetivos mais. O importante é que é um poema, ser.
    muito bom mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Hummm ... Mirtes, parece que voltam os teus poemas de "Novembro" em tempos Outonais.
    Como bom egoísta, isso me faz bem.
    Nem penso em qualquer dor ou vida, quando leio poemas assim; tão cheios de uma energia que constrói.
    Tua respiração que dói, dá mais vida ao teus poemas, leio repetidamente,porque são inspiradores.
    Abração.

    ResponderExcluir
  4. Mirtes, o seu poema mostra o estar conturbado consigo mesmo, e, ainda, a maneira poética de parar para respirar, sem analisar as consequencias que teria ao "rasgar" uma folha de papel, o seu próprio ser ali representado. Sublime. Gostei. São mesmo inspiradores. É bom voltar aqui para lê-los.
    Desculpe demorar a responder e a vir.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Adorei tudo, a começar pelo título, que já diz exatamente o que há em todas as linhas que escreveste.
    Muito bom, parabéns!!

    ResponderExcluir