sexta-feira, 19 de junho de 2015

Fragmentos II

Ei de ser poesia e nada. 

E eu, ainda. 

Todo o resto de mim é saudade,
espera e nevoeiro. 

Me silencia a hora,
me parte verso do peito. 

Só me reconheço 
no espelho 
dos teus olhos cor de terra batida.

Me esqueço,
escrevo e me amasso,
nos teus olhos cor de terra batida...

Todo resto de mim é poesia barata. 

Um comentário:

  1. Uma poesia barata que me é cara, toca meu coração como a imagem dos teus lábios que nunca alcancei. Dizer que desejo tua boa , te faz trocar a a imagem, não desejarei mais que tua poesia, vá que você troque o nome do blog e eu me veja perdido..
    bom fim de semana.

    ResponderExcluir