sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Apenas caminhe

Só por hoje,
Não cantemos toda a nossa amargura.

Eu sei,eu sei...
Não precisa me dizer,
Que cantando ou calando,
Ela vai continuar lá
Bem ao lado de toda a nossa solidão,
Escondida em um canto,
apertando no peito e sufocando a nossa respiração...

Mas só por hoje,
Não rabisque um verso amargo
Não arranque do peito o teu pobre e ferido coração.
Esqueça as tuas dores e vá ver o sol que brilha,
Do lado de fora da tua janela empoeirada.

Só por hoje brinque de esquecer
E  esqueça de si mesmo.
E se puder deixe a caneta e o caderno em casa
E vá caminhar na chuva.

Veja,ela está caindo lá fora!
Por que você não vai tomar um pouco de ar puro, então ?

Só por hoje,
Não blasfeme contra si mesmo,
Não cortes o pulso com a caneta.
E vá apenas caminhar na chuva,
E deixe que ela molhe o teu rosto e lave as tuas lágrimas.

Eu sei,eu sei...
A dor que te dói agora é pesada.
E te faz chorar lágrimas secas,
Que por ;você; não saber mais como verter,
Vai chorando nas tuas linhas
Lágrima por lágrima,
Verso por verso.

Mas só por hoje esqueça essa dor,
E vá caminhar.
Deixe que os teus pés te levem para qualquer lugar;
Não olhe as pegadas que forem ficando pelo caminho;
Apenas siga em frente,
Sem temer a estrada que eles ainda irão tocar.

Eu sei,
Que o chão por onde passas é duro,
E machucas os teus pés já tão machucados;
Pelo sapato apertado que insistes em calçar;
Eu sei porque  também;eu; calço os mesmos sapatos apertados,
E já senti toda a aspereza do asfalto
Tocando os meus lábios.

Mas só por hoje vamos apenas caminhar,
Sem sentir os nossos passos.

Eu sei,
Que a estrada é longa e a tua carga é pesada
Carregas na tua pobre e gasta mochila,
Todo o pesar do mundo,
E ,eu sei,
Pois carrego na minha,peso igual ou maior.
Mas só por hoje,
Não carregue a mochila
E se esqueça do peso

Só por hoje,
Não coloque os teus pesados fones de ouvido,
E apenas escute o som que vem das ruas.

Eu sei,eu sei...
Que a música que vem do asfalto
É demasiada alta,
 E ;por vezes; machuca os teus ouvidos,
Mas só por hoje se esqueça dessas vozes ásperas ,e do ruído das ruas,
Que invadem os teus sentidos e machucam a tua audição,
Com o gemido do mundo.

Só por hoje esqueça-se do mundo, 
Que está ao seu redor!
Esqueça a insônia ,a misantropia,a incompreensão,a rebeldia,a subversão ,e a solidão.

Coloque tudo isso dentro da tua mochila,
E a deixe em casa,ao lado da tua folha vazia,
Da tua caneta barata ,
E dos teus copos cheios de nada,
E vá apenas caminhar.

Veja,tem uma noite adorável,
Se fazendo lá fora hoje!

E a chuva que caí ;
do lado de fora da tua janela empoeirada;
É apenas ,um convite a caminhada,
Se fazendo, para que os teus pés cansados,
De poeta jovem e amargurado,
Possam; enfim; descansar.

Então deixe o mundo para trás,
E se quiser traga consigo a garrafa.

Mas;hoje;
Vá apenas caminhar...

6 comentários:

  1. Nossa, sinto como se essa poesia tivesse sido escrita para mim; com duras verdades e uns tapas leves na cara, e eu a amei, amei cada verso e cada conselho...
    E eu, somente por hoje, caminharei apenas...

    PS: Sorte que você liberou a garrafa pelo menos rsrs

    Beijos!!!
    Parabéns e valeu mesmo!

    ResponderExcluir
  2. amei,amei cada verso ,cada estrofe
    é tão belo que parece uma canção,
    é como se fosse feito pra mim,
    Parabéns...eu estou sem palavras poetisa .

    ResponderExcluir
  3. Queria ter achado esse blog antes.
    Escrito com maestria, muito intenso esse poema
    dahora demais!
    Um abraço!

    Elvio Fernandes

    ResponderExcluir
  4. Só por hoje (e por amanhã e depois também, quem sabe?)- perfeitas tuas palavras, muito bom mesmo.

    ResponderExcluir
  5. Que poesia linda, realmente genial, você brinca com as palavras certas de um jeito que eu nunca vou aprender.

    Parabéns, de verdade!

    ResponderExcluir
  6. Você escreve de maneira que o leitor possa se encaixar no texto!
    Parabéns!

    ResponderExcluir