quinta-feira, 13 de outubro de 2011

      
              t  u             e
 f  l u       a  n   t 


Perguntou as horas, e saiu, sem dar ouvidos a resposta.
                     
                            Ela, foi passear no infinito,
                        de qualquer  hora vazia,
                 Sem saber que ficava, assim,
           
                          Presa as

                           l       t
                             e      r  a
                                                s

                                que soltava  no branco do papel...

               Todas as horas eram ,
                   agora, como finas nuvens de um não sei-o-quê,
                                          a n         
                                        t  u    d o
                                 f  l  u           dentro de si,

                                                                             
                                 " o tempo é uma medida, que ás vezes não nos mede

                                       o verso é quase uma prece,
                                   reza...?
                                                            O que é o vazio?
                                                      Nada...Quem sabe,
                                              tudo?

             Me enche o peito, com tudo aquilo que não é... Me esvazia a alma,
                    me  preenche na folha..."


                                      Cabiam ainda, tantos versos,
                              fora e dentro dela:

                               "... Papel amassado,
                                  unhas ruídas,
                                                   dedos, pés,
                        Minhas mãos o que são... Me escrevem, e não são,
                                          
                                   ...O verso não me explica, não... "
                                          
                Flutuava no branco da folha,
                              achava, e não se achava em nada,
           só, flutuava, sem saber  que no meio de tantas letras
                              cabe uma estrela, uma lua,
               e até um sol, vem brilhar de vez em quando.

                            "quente...verso...frio...poeta? inspiro o ar que é  teu,
                                  expiro a letra que é minha,
                             respiro a dor que não é nem tua , nem minha,
                                                  é nossa,                            
                                       não sendo, de ninguém..."
                             
                                     Fez-se, então, um azul , em clara mão,
                                     caneta que estourou, mas não manchou,

                                      ... De verso em verso redesenhou, em claros olhos,
                                         o infinito que escreveu, em uma folha,
                                             vazia...

      Fez-se, assim, nem  tão cheio, nem tão vazio,
                flutuando apenas, no infinito... da própria finitude.          f
                                                                                                        i
                                                                                                              m?


"... Passeio em mim,
com  anseios sem...

                                                       ... São de cores, infinitas, enfim,
                                              E o tempo...
 ...  Não ouvia as horas.
                                                       
"... Deixe que o mundo flutue, assim, dentro de mim, e fora de qualquer tempo ou fim."

Um comentário:

  1. Acho que é um dos meu preferidos daqui.

    Gostei bastante desta parte:

    " Fez-se, então, um azul , em clara mão,
    caneta que estourou, mas não manchou..."

    ResponderExcluir