domingo, 13 de março de 2011

#3

Cadê?

Tanto faz se é verdade, o que eu escrever aqui,
você não vai ler:
                Simplesmente            q
                                                  u
                                         e
                                       b
                                         r
                                a
                                     r 
                                           e i                
                   as tuas  li  n
                                      h  a s
                                                     para JUNTARnasMINHAS
                                                    memórias.



Desfazer 
                as  horas,
                                                      i 
                                               g           r 
                                                 r      a     
                                      
                                         os ponteiros
                                                    na direção contrária,


reeditar a vida,
                        desprezando a 
                           lógica.

                    Traçar as linhas no vazio...                                
                                                                                                                     
                                                                                                       risque o que eu lhe escrevi,
                                                                                                                                 até então...                                           

Dias são assim-assado,
e sempre crus pra mim.

                      Acaricie o meu cérebro,agora!

Há algo...       que eu nunca quis lhe falar,
                                      mas que  me     e
                                                      s c a
                                                              p
                                                                    o u        por entre os dedos...

Me perdoe pela poesia,
talvez, ela, não lhe diga respeito:


A solidão é uma faca de dois gumes:
é toda aminha amizade,
e mediocridade...
Sou minha doença ,
e minha cura...
                         ...a lógica ,disso ,é pobre,
                          o verso também.

      poetas poetizam,
                               poetizam,
                                         poetizam,
                             po-e-ti-zam....oh sim!
    Poetas peidam...
                              os versos cheiram mal,
                                        cheiram à fumaça ,
                              álcool,
                                   tristeza,
                          solidão
                               incompreensão,
                      arrependimento,
                      sub
                             ver
                                são:
      
                                     Versos escondidos no subconsciente,
                                                      maquiados e esquartejados pela caneta.
                                   [ sub                                
                                          verso(sões) de coisa nenhuma...]
           
                                
               Onde foi parar o meu lirismo???
                       
                                  CADÊ VOCÊ?!!!

                      CADÊ      ?????????????????????

Sonhe,sonhe,

sonhe comigo!

    ame,ame,
                   a minha poesia!

ame o vazio dessas linhas melo- dramáticas e mal escritas,
mal expostas:
                      doces feridas abertas que me expõem o ridículo,irremediável,de ser o que eu sou...


            CADÊ ,  a minha auto-confiança?

          a minha arrogância ficou tão pequena agora,

                 que você se foi.... 

                                                               Sou o que sou,
Onde eu estou,                                             sendo o que não sou,
eu já estive antes,
sei bem onde começa,                            sendo o que não sou ,apenas,
e onde, não, termina.                                                        sou.


                                 Meta
                                       de          
                                                     de   MIM...
                                   metade ,
                                            enfim,
                                 por fim,       sem fim,  sem MIM,em mim...



CADÊ A MINNHA SANIDADE????


CADÊ  o meu lirismo,a minha POESIA, onde foi que se enfiou?!



Poetas poetizam...
                                    Sim....

                Sim...                              

Poetas são idiotas.... No fundo são (sou) idiotas!!!


OH... Perdoe-me pela poesia,talvez,ela, realmente não lhe faça juízo...

7 comentários:

  1. As coisas que você escreve, da forma que você escreve, é algo que eu nunca vi, e nem vejo por aí. Por isso, sempre volto aqui atrás de textos maravilhosos como esse.

    ResponderExcluir
  2. Muito genial, e corajosa por postar uma coisa assim num blog... e haja técnica, paciência... o resultado ficou ótimo.

    "Poetas são idiotas.... No fundo são (sou) idiotas!!!"

    Muita verdade e coragem...

    ... e mentira e covardia...

    ... e tudo...

    ... e nada...

    d

    e

    m
    a

    i

    s!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!



    F.F.F.F.

    ResponderExcluir
  3. Mirtes, você soletra muito bem, e é esplêndida em ironias. Ameiiiii essa poesia, amei.
    Quando disse sobre soletrar e sentir a força, estava me referindo à energia que brota de tuas palavras construindo frases, versos e poemas, apaixonantes.
    Adoro isso; adoro toda essa substância terna que verte de ti.
    Beijão no coração.

    ResponderExcluir
  4. Ah! tão lógico poema! digno de um aparato como esses. Azedo, azedo... voltar aqui é um estímulo, fico embriagado, vômito, danço, até um riso chega de vez em quando, ou quase sempre!

    Tens feito uma grande e interessante construção!

    ResponderExcluir
  5. eu só leio,
    e depois ajoelho na frente da tela do computador, venerando-a, Mirtz, por cada poema que você põe aqui.

    ResponderExcluir