sábado, 19 de março de 2011

Mais uma vez banal...

... Peças soltas

As crianças estão aqui,
a esperar pelo pão dormido da manhã,
enquanto apanham as migalhas
que estão pelo chão...

                                     Amanhã é outro dia,
                                    Deus estará  mais uma vez com vocês,
                                   velando sua fome,
                                  e seu sono.

  O reino dos céus é para os pobres de espírito...

sim,
  sim,
 ele é...       
                              Não que isso faça sentido,
                                        mas você sentará, uma vez mais,
                                       esperando, esperando...

As crianças correm agora...
Dando voltas na minha consciência...            
                                                                                            
              Isso tudo é tão incoerente que eu poderia,mesmo,esquecer:

Lá atrás mora uma moça...  [já me esqueci de como chamá-la.
Ela chora,ela chora,
pelo amor que se perdeu...                         
                                                         É mentira ela não chora.


Simplesmente, conta aos amigos como tudo vai bem


           Vai bem,
                         v 

                                  a           i                 
                              b       e
                                                 m

lá vai o seu bem,meu bem...
É ponto final das suas interrogações,
sem qualquer lamentação.

       Isso é patético também...        
                                                                     
                                          Do outro lado da ponte mora um poeta,
 com o seu belo complexo de fênix,
 Chorando as feridas que nunca foram abertas,
 Renasce das cinzas do que nunca se queimou.
                                                                                                                                                                                                                                                                         

As crianças estão bebendo agora,                   Previsível...  Quase irresistivel,
de um só gole todo o vazio,                               tanta falta,do que falar, 
Esperando a ressaca de amanhã ,que já passou.      do que ouvir,                          

                                             (D)O que sentir?!

                                             ... Agora,isso é tão natural,
                                          que tanto faz,se é banal.
                                                                                                            

A conseqüência, inevitável,
para a vida:
é a vida...Simples assim.


    E as crianças...
                     ...Simplesmente, correrão para apanhar qualquer pão.


                                                 Banal,banal...
                      
 E o que não é ...?
                                 (Me) deixa pra lá...

Que,eu, quero mesmo é me entupir de qualquer ca(fé) outra vez,só pra ter o que vomitar mais tarde...

Já passou,
                Já passou...
                                               Banal,banal...
            

2 comentários:

  1. Que massa. Parece loucura, mas no fundo é banal!

    ResponderExcluir
  2. Realmente, como você disse, é irrelevante uma crítica a um poema, mesmo que seja ortográfica. O que se pode dizer é o que eles nos provocam, este estado de espírito que enche o cérebro de conceitos e desconceitos e tudo mais do mesmo.

    Teus poemas, como este, mostram-se bem pensados, longe daquele dadaísmo estranho, mas também injulgável, teus poemas, como este, não são para ser bem entendidos, mas comidos, como todos poemas são, e como nenhum poema é.

    Um bom domingo.

    ResponderExcluir