segunda-feira, 16 de abril de 2012

(poesia inacabada)


Todas as coisas são efêmeras,
e algumas são,
irresponsavelmente, muito breves.

Tão curtas,
quanto só um suspiro deveria ser.

Mas nem tudo, é tão vão assim...

Embora papéis, amassem e se rasguem, 
alguns versos não podem ir, do peito ao lixo.

... Sentimentos não são, tão descartáveis assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário