quinta-feira, 7 de abril de 2011

Procura-se humanos

Não sei, se dormi ou acordei,
com este poema...

Eis, então, o que escrevi,
meio sonho,meio real,
resto de sono,
ainda cheio de remelas:

Abrindo ou fechando os olhos,
a realidade me parece fora do real,
abstrata e meio vazia.

Sei lá... Acho que falo demais,
e faço de menos,
talvez seja esse o meu mal.

Queria encontrar um dia,
por acaso,perdido em qualquer esquina,
um ser Humano;
ou alguma coisa do tipo;
que fosse feito inteiro de sonho,
Mas, que flutuasse fora de qualquer dor...


Abriria bem a boca,
nessa hora,
Só pra contar uma piada.

Não que goste de piadas...
Mas contaria,
só pela alegria,
de ter alegria.

E me encheria, de um riso,
contido e claro.

O céu se abriria em uma garoa fina, muito fina,
e as gotas de água cairiam feito estrelas,
o sol nasceria ,
mais quente,
e bravo  então.

E, ao anoitecer não faria mais frio.
Tudo seria leveza e beleza,
e beleza e leveza...
O céu seria inteiro um poema lírico,
que jamais soube escrever.

Crianças iriam correr ao redor,
brincar ,e cantar,
pular e gritar,
sem medo,
de nenhum bicho-papão ou ladrão.

E nas ruas tocaria um blues,
alegre, alegre,
como, nenhum outro,
nunca foi.

Nesse dia,eu seria,também,
mais humana,
e menos vazia,
por um segundo ou até uma vida inteira.

Tá,já limpei as remelas, porque é sonho,
É sonho...

...Os seres humanos estão cada vez mais raros.

Mas,se por acaso,ainda  existir algum,
eu até dispenso,
todo o lirismo e a garoa fina,
o sonho e o travesseiro de espuma,
só pra gente poder bater um papo,
sem medo, e sem pressa.

E,então,
tem alguém vivo aí...Mas,que seja real,e não feito de sonho?
               

3 comentários:

  1. Eu me tenho como um ser humano incompleto... e busco nos outros um pouco de sabedoria para a completude.

    # Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Eu.



    http://www.nayaron.blogspot.com/

    ResponderExcluir