sábado, 9 de abril de 2011

Sei não...

     ......................................................         
                Tomo consciência,
             de tudo e de nada,
              ao mesmo, tempo.                              
                                                       
                               Seja lá o que for o tempo...                         
                                                            
 Es
        cre
             ver      
                     é tão cru, tão fora do real,
                            sem sal...
   
          Me desculpem pela previsibilidade da rima.

[a caneta tá meio sem tinta...
                                               Coloquei uma letra aqui,


 outra
          


                                                                ali,

até perder as margens e as linhas...

              Não;não é o papel ,
                o que conta,

                                          
um,dois,             

três...
                 Linhas demais ou de menos...
                                                                
                                     Passam,assim,meio mornas  em mim,
                                                         
                                                          1,             
                                                              2...
                  Dias demais ,ou de menos...

O risco que algo aconteça, é grande...o de nada...é maior-ainda.                                           
                                                            
                                                                                                                   

E quem se importa...?!         Nada,        pouco,
                                                                              tudo, é sempre,
       muito...
                                         E
 sei lá....                               CRE
                                             VER                           é torto,é torto,
                                                                  talvez ,muito, pouco...

O verso;
saí;assim:
                            Abstrato,abstrato,
                                                        tonto,tonto...

Amanhã,como será...Será?
                                                                    Não há beleza nenhuma,
                            nesse meu ;não- ter; o que dizer.

                       Parte,
                  e se
                       re                                                         Seja lá o que for isso
                        parte-                                                    de fazer arte,
                              se;assim...verso,verso,em mim.        faz,parte...


Ai,me desculpem(outra vez !)pela previsibilidade da rima.
              Mas...
Cansei.Cansei.

... A criatividade fica pra depois do, meu ,depois.

                                    Outra vez,outra vez.

                                 me desculpem,   me desculpem...


Isso;de escrever;sei não,sei não...
                                   Acho que é coisa de gente meio...                              
..........................................................

9 comentários:

  1. ...Meio: de qualquer coisa?
    Como o que não tem inicio nem fim, contido no tempo nosso, e do universo?
    Hummm...Fiquei curioso.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Gente maluca como nós...mas também gente talentosa, como você.

    ResponderExcluir
  3. Coisa de gente meio vazia e meio cheia.
    Acho que por isso, falam tanto de procurar o equilíbrio das coisas.
    Não é, somente a terra que tem essa necessidade, gente,também tem.

    Beijo no coração.

    ResponderExcluir
  4. é coisa de gente meio desequilibrada.
    texto foda ,nem vou falar muito pra não parecer bajulação.

    ResponderExcluir
  5. Procuramos o equilíbrio e é no desequilíbrio que nos encontramos, que aprendemos... Acho que pra entendermos o que se passa com a gente ou até mesmo com o mundo, temos que ser assim... nós procuramos o equilibrio, mas é no desequilibrio que aprendemos mais!

    amei o seu texto!

    ResponderExcluir
  6. Grato pelo comentário. Gostei dos teus poemas. Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Adoro essa coisa meio louca que o fluxo de consciência se torna... arte... eu me pergunto se você teve um trabalhão ou se tudo brotou na hora.... eu não sei, me conta, vai.

    Como foi o processo que resultou nessa coisa linda?

    ;)

    F.

    ResponderExcluir
  8. Escrever é coisa de gente que vê as coisas de maneira lirica ou marginal. É ver o belo nas coisas mais feias. É buscar o esquilibrio no desiquilibrio.
    Escrever é coisa de gente doida.

    ResponderExcluir
  9. Oi Mirtes

    A idéia sobre escrever que tenho é simples: escrever. Como flor é flor, fruto é fruto, e bolo de cenoura é: cenoura, ovo, óleo, farinha de trigo e açúcar. Alguns escrevem flor, outros fruto e outros bolo de cenoura mas... a flor é uma hortênsia, margarida, lírio, amaranto? o fruto é azedo ou doce? vemelho, verde, amarelo vivo? e o bolo?... tem cobertura?

    Desculpe pelo exemplo senil, devo estar com Fome. Abraços e parabéns pelo poema.

    ResponderExcluir