terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Cartas para ninguém

#3 - Hoje me lembrei de ontem.

"Nos tornamos; exatamente; aquilo que sempre fomos. Passado presente e futuro... Cabe tudo dentro do mesmo tempo. E, é sempre o mesmo tempo, pra mim ou pra você. Inconstante e constante, finito e infinito, como; toda; a eternidade de um segundo."

Lugar Nenhum,Entre o vazio e alma, 03 de Janeiro de 2011

Olá, tudo bem?
Espero que sim...

Sabe, estou lhe escrevendo isso só pra te contar, que hoje dei pra me lembrar de ontem.

Cheguei até mesmo à escrever alguns versos só pra não me esquecer do que já vai me esquecendo.
Não é que seja saudade do passado, é só um pouco de nostalgia.
É que de repente me venho na boca um sabor que me lembrou qualquer coisa; assim; que já se foi.

Como se tivesse guardado pra sentir hoje, o gosto do café com leite que bebi ontem.
Ah, mas realmente não é saudade, é qualquer coisa como...
Como vontade de lembrar, ou de não esquecer.
Sei lá, dei pra lembrar dos meus tênis gastos,quando eles ainda eram novos.E não sei por quê me deu uma vontade de vê-los;assim;limpinhos de novo.

Me lembrei da minha antiga sala de aula.Senti falta,por um minuto,de rabiscar na carteira qualquer frase incoerente ,de protesto contra nada.E de ouvir  uma explicação idiota, qualquer, de algum professor de história...

Me lembrei dos meus óculos velhos,
Será que os meus olhos mudaram agora que troquei a armação?
Provavelmente não...

Sabe, estive me lembrando de mim mesma também.
E quanto tempo já se passou desde o dia em que havia me esquecido de me lembrar?
Vinte anos, é o que eu conto agora...
E, em breve vinte e um, vinte e dois, vinte e três... Sei lá, quantos “vinte e...”, eu ainda ei de contar...

Mas, a verdade, é que eu não queria lembrar nada disso, e tão pouco queria me esquecer.
Eu queria mesmo, era que houvesse um estado na memória, que ficasse entre o esvair e o conservar, entre o lembrar e o esquecer.
Queria esquecer me lembrando e me lembrar esquecendo...
Qualquer coisa; assim; só para não ter que sentir essa  vontade de esquecer misturada a esse esforço pra lembrar...Só pra não sentir esse gosto de melancolia misturada a nostalgia, que vai me ficando na boca.

Porque, o que eu queria mesmo era sentir o sabor de futuro batido com esperança e limão.
Mas, acho que já não me lembro mais, de como faço pra lembrar desse gosto.E,eu queria poder  me esquecer disso também...

Bem, é só isso por hoje; ou seria por ontem?
Enfim, tanto faz...
Até mais.

                                                                   Atenciosamente,
                                                                                       ... 
          

3 comentários:

  1. Adorei o seu texto! Foi tão bom quanto foi nostálgico. Disse tudo e, ao mesmo tempo, nada. Tudo dentro do possível no vão entre a lembrança e o esquecimento.

    Obrigada por seu comentário em meu blog.
    Você viu que tem um selo para o seu blog?

    ResponderExcluir
  2. Caramba, o sentimento tá transbordando nesse blog, um texto mais lírico que o outro, muito bom, tá escrevendo muito, hein, Mirtz???

    abração minina, foda demais os textos!!!
    esse então?
    sem palavras...

    ResponderExcluir