segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

E, nós, pontuamos, ou somos este mistério?

Há, ainda, tanta vida aqui,
Fora e dentro de mim.
Um infinito inteiro, escondido no que há de ser.

São tantas cores desenhando, no vento,
o que eu ainda não sei.
E, de repente esse meu, não saber, me parece tão certo,
e tão mais simples.

E como eu pude ser tão tola?
O “por vir” é sempre, tão mais belo...

E tudo o que eu caminhei,
ouvi,senti ,fiz,
E até mesmo o que ficou por ser feito...
Deixaram os meus sapatos mais sujos, agora...É verdade.
Mas, há tanta beleza escondida nessa sujeira...
Que eu não saberia explicar.

E, há ainda tanto a se fazer em mim,
E tanto a perguntar...

Há tanta vida,em nós,
tanto amor,tanto ardor,
tanta sede...
...Que você poderia até mesmo afogar-se dentro de si.


E talvez, você não entenda...
E, tudo bem,
porque na verdade,
eu também não entendo.

O vento esteve soprando,
e simplesmente soprando.

E o que mais você queria me ouvir dizer...?

Foi uma melodia tão doce,
quanto, fora incerta,
E, ainda mais doce,
Por ser, assim, tão incerta

Mas, não;
não é a resposta,
o  que realmente importa,
e,sim a interrogação.

Pois, que beleza poderia viver,
em uma certeza?

O mundo está rabiscando;
com traços que não são fortes, nem suaves;
a vida,
em um simples
ponto de interrogação,
que exclama,
dentro,
e fora de nós.

E como é bom, fechar os olhos,
e;simplesmente;
escutar...

...Mesmo que não entenda,

Simplesmente,rabiscar.

E como é simples...

O mistério se releva inteiro,
nesse não saber.

E, como isso pode ser tão belo...

Rabiscado, assim,
Dentro de uma interrogação?

4 comentários:

  1. interrogação essa, que se desfeita perde a beleza, e acabará num conceitualismo desmedido, sem a cor dos antigos e incompreensíveis rabiscos vívidos...
    -
    lindo demais, e eu me identifico profundamente com tudo que tu escreve, pelo menos com tudo que li até agora, sinceramente.

    ResponderExcluir
  2. nossa,lindo demais,
    realmente é inútil ter certeza,o que nos sustenta talvez seja a dúvida.
    gostei bastante deste,senti um certo alivio,sei lá alguma esperança.

    ResponderExcluir
  3. Os textos cada vez mais lindos, eu cada vez mais me identifico... Caramba Mirtz, não tem como falar mal do que você escreve, nem se eu quisesse!

    ResponderExcluir