terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Café

O que eu deveria escrever aqui?
Deveria dizer a verdade, eles dizem.

Sim; eu deveria,
Mas acontece que eu não sei o que existe de verdade em mim,
E mesmo assim as palavras continuam fluindo.

Todo mundo mente,
Se esconde,
e se acha um pouco mais inteligente e talentoso,
do que realmente é.

E, eu,realmente queria que essas linhas redimissem as minhas mentiras
e mediocridade.
Mas, eu tenho mentido nelas também...

Pois é... Eu minto também.

E, não há gloria nenhuma em admitir isso aqui.
E por que deveria?

Não; eu não me torno menos mentirosa,
ou estúpida que você, por causa disso.

E,quem sabe eu seja, mesmo, muito pretensiosa e arrogante,
E tudo isso aqui seja falso também...

Talvez eu não passe de uma criança mimada,
Querendo um pouco de atenção.
  
E só faça, isso, 
de confessar as minhas mentiras
e limitações,
porque no fundo,
o que eu realmente queira, 
é que você me ame.
Ame a minha “sinceridade”,
Ame a minha poesia.

Assim,quando eu for à padaria pela manhã,
e estiver na fila com meus chinelos e bocejando;
igualzinho a todo mundo;
eu consiga me sentir um pouco menos banal...

E tanto faz, isso também.

Porque,na verdade,
acho, que só mencionei a padaria,
porque eu tô querendo um pouco de café...

3 comentários:

  1. Poxa, cara.
    De verdade, eu nunca me identifiquei tanto com nada O_O
    impressionante, parece que foi eu quem escreveu isso.
    por quantas vezes já não pensei sem o mínimo de sentido nas minhas mentiras psêudo-sinceras...

    nossa, parabéns... de verdade.
    e obrigado por ter comentado no meu blog e ter me feito vir até o seu (:

    ResponderExcluir
  2. Muito louco Mirtz,
    viajei no seu poema, viajei mesmo na intensidade das suas palavras...

    ResponderExcluir
  3. Mentiras objetivas, plantam sementes na alma de quem às sente.

    ResponderExcluir